Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘China’

d2289f0de44d4b7481b8f4b90d4a8d653439b29a

Read Full Post »

As trocas comerciais entre a China e os países de língua portuguesa aumentaram 20 por cento até julho, atingindo 75,9 mil milhões de dólares (60,5 mil milhões de euros), indicam dados oficiais hoje divulgados.
De acordo com as estatísticas dos Serviços da Alfândega da China, o acréscimo registado em relação ao período homólogo de 2011 traduz-se num aumento de 12,9 mil milhões de dólares (10,3 mil milhões de euros).

Pequim comprou aos oito países do universo lusófono produtos no valor de 53,1 mil milhões de dólares (43,3 mil milhões de euros) – mais 28 por cento do que o apurado nos primeiros sete meses de 2011.

Por outro lado, as trocas comerciais entre a China e os Países de Língua Portuguesa atingiram em julho 12,2 mil milhões de dólares (9,7 mil milhões de euros), número que reflete um acréscimo de 276 milhões de dólares (220 milhões de euros) e uma subida de dois por cento face ao mês anterior.

As aquisições chinesas dos países lusófonos somaram em julho 8,3 mil milhões de dólares (6,6 mil milhões de euros), refletindo um aumento de um por cento face ao mês anterior, ao passo que as vendas para a lusofonia cresceram cinco por cento até 3,8 mil milhões de dólares (3,1 milhões de euros).

O Brasil manteve-se, ao longo dos primeiros sete meses do ano, como o principal parceiro lusófono da China, com um volume de trocas comerciais de 49 mil milhões de dólares (39 mil milhões de euros), uma subida de 10,1 por cento face a igual período do ano transato.

As exportações da China para o Brasil totalizaram 18,6 mil milhões de dólares (14,8 mil milhões de euros) – mais 4,6 por cento do que nos primeiros sete meses de 2011 -, enquanto os bens adquiridos pelo gigante asiático ao Brasil cifraram-se em 31,1 mil milhões de dólares (24,8 mil milhões de euros), reflexo de um aumento anual na ordem dos 13,7 por cento.

Com Angola, o segundo parceiro chinês entre os países de língua portuguesa, as trocas comerciais cifraram-se em 22,9 mil milhões de dólares (18,2 mil milhões de euros), na sequência de um crescimento de 52,7 por cento relativamente aos primeiros sete meses de 2011.

As aquisições chinesas de Angola sofreram até julho um incremento anual de 53,3 por cento para 20,8 mil milhões de dólares (16,5 mil milhões de euros), ao passo que as vendas àquele país africano sofreram uma subida de 47,3 por cento até dois mil milhões de dólares (1,5 mil milhões de euros).

Para Portugal, o terceiro parceiro comercial da China no universo lusófono, seguiram mercadorias chinesas avaliadas em 1,4 mil milhões de dólares (1,1 mil milhões de euros) até julho – menos 13,5 por cento em relação ao período homólogo de 2011 – contra compras chinesas de 925 milhões de dólares (737 milhões de euros), mais 59,5 por cento face a igual período do ano transato.

Entre janeiro e julho, o volume das trocas comerciais luso-chinesas atingiu 2,3 mil milhões de dólares (1,8 mil milhões de euros), refletindo um crescimento anual de 5,2 por cento.

A China estabeleceu a Região Administrativa Especial de Macau como plataforma para o reforço da cooperação económica e comercial com os países de língua portuguesa no ano de 2003, altura em que estabeleceu o fórum que se reúne ao nível ministerial de três em três anos.

Fonte: http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=582937&tm=6&layout=121&visual=49

Read Full Post »

Macau, nôs-sa téra

Humildi, di grándi nobréza

Téra pichóti di tanto chiste

Unga fula pa quim ta triste

Macau, nôs-sa téra

Na mundo nom tem ôtro igual

Casa di paz, di caridadi

Unga casa pa tudu genti

Macau, Santo Nómi qui Diós j’abençoâ

Macau, ‘nga tesóro dóci qui nôs guardâ

Téra di sonho, di esperança

Téra di bondádi

Ai bonitéza

Macau, nôs-sa téra

Read Full Post »

Blogue muito interessante, muito enriquecido com fotografias, muito documentado, muito esclarecedor. Aconselha-se vivamente uma visita!

Read Full Post »

Read Full Post »

Agricultores brasileiros recebem 60 mil quilómetros quadrados de terras

O governo de Moçambique ofereceu uma área de 60 mil quilómetros quadrados no norte do país para agricultores brasileiros plantarem cereais e algodão, revelou o ministro moçambicano da Agricultura, citado pelo jornal Folha de São Paulo

“Os agricultores brasileiros têm experiência acumulada que é muito bem-vinda. Queremos repetir em Moçambique o que eles fizeram há 30 anos no cerrado”, disse ao diário brasileiro José Pacheco, ministro da Agricultura.

“A grande condição para os agricultores é ter disposição de investir em terras moçambicanas. É preciso empregar 90% de mão-de-obra moçambicana”, acrescentou José Pacheco.

As terras, cuja dimensão o jornal compara a “três estados do Sergipe” e afirma ser “a nova fronteira agrícola do Brasil”, situam-se nas províncias do Niassa, Cabo Delgado, Nampula (no norte) e da Zambézia (no centro) e destinam-se à produção de soja, milho e algodão.

Como contrapartida para uma concessão de 50 anos, renovável por igual período de tempo, os agricultores pagarão um imposto anual de cerca de 9,00 euros por hectare e deverão beneficiar de isenções de taxas na importação de maquinaria agrícola.

O primeiro grupo de 40 agricultores brasileiros parte para Moçambique em Setembro. Ouvido pelo jornal, o presidente da Associação de Produtores de Algodão do Mato Grosso, Carlos Ernesto Augustín, disse que a oferta tem vantagens relacionadas com o preço da terra e as questões ambientais.

“Moçambique é um Mato Grosso no meio de África, com terras gratuitas sem tantos impedimentos ambientais e com o frete para a China mais barato.  Hoje, além da terra ser caríssima no Mato Grosso, é impossível obter licença de desflorestação e limpeza de área”, disse Augustín.

A China é o principal importador da soja brasileira.

Fonte: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/ultima-hora/agricultores-brasileiros-recebem-60-mil-quilometros-quadrados-de-terras

Read Full Post »

A equipa de futebol foi convidada para participar num Torneio Quadrangular, em Goa, com mais três formações indianas. Pelé esteve presente no sorteio e foi recebido como um ídolo.

O agora jogador-treinador do organismo autónomo da Casa de Portugal em Macau, foi, anos atrás, uma vedeta do Vasco da Gama de Goa e ninguém o esquece na antiga colónia portuguesa. “Fui recebido de uma forma que não esperava, o que me sensibilizou bastante. Vai ser muito bom regressar ali com a Casa de Portugal”, afirma Pelé, que vestiu a camisola do Vasco da Gama em 1997 e 1998, convidado pelo clube goês, depois do regresso das eliminatórias do mundial, realizadas no Japão, a representar Macau.

Nessa altura representava o Lam Pak, de Chan Man Kin, com o qual se tornou campeão do território. Pelé voltou a jogar em Goa em 1999 e foi campeão pelo Churchill Brothers, marcando 16 golos. Agora, o jogador de São Tomé e Príncipe foi a Goa participar no sorteio do Torneio Quadrangular e sentiu o calor de adeptos e dirigentes.

Os responsáveis pelo Vasco da Gama souberam que Pelé ainda jogava e treina uma equipa de Macau, e manifestaram interesse em tê-lo na prova que se vai realizar em finais de Setembro. Desde logo a Casa de Portugal aceitou o convite, com os detalhes a serem ultimados há dias, aquando da deslocação de Pelé a Goa.

Conforme indica o sorteio, a Casa de Portugal terá de defrontar curiosamente o Vasco da Gama, no primeiro desafio. Em caso de vitória encontrará na final o vencedor do jogo Sporting de Goa-Salgaocar. Este último é o actual campeão de Goa e deverá revalidar o título, ainda que faltem algumas jornadas para terminar a temporada.

O Salgaocar é a equipa de maior prestígio actualmente em Goa, tendo chamado ao seu plantel vários estrangeiros, principalmente brasileiros, marroquinos e guineenses de Conacri. O treinador é um antigo jogador da selecção de Marrocos.

Pelas informações de Pelé, a Casa de Portugal tem condições para discutir o primeiro lugar do torneio, uma vez que o nível do futebol em Goa, apesar do grande desenvolvimento dos últimos anos, não é muito elevado. “Vamos para discutir o triunfo na prova, até porque nessa altura, em Setembro, estaremos reforçados com novos jogadores, nomes que ainda não posso revelar.”

Tentar a subida

Pelé deu a entender que há futebolistas de outras equipas de Macau que já mostraram interesse em representar a Casa de Portugal na próxima temporada, principalmente porque são grandes as expectativas do clube subir à II Divisão. Ainda falta mais um jogo e esse será decisivo, agendado para o próximo sábado, que irá definir quem acompanhará os já promovidos Lai Chi e Hong Lok.

Se a Casa de Portugal vencer o Roma, no Estádio da Universidade de Ciência e Tecnologia (às 14h), então o conjunto de Pelé participará no segundo escalão da temporada de 2011/2012. O conjunto de matriz portuguesa venceu há dias os jovens Sub 16, apoiados pela Associação de Futebol de Macau, por 3-2, no derradeiro encontro do grupo. A Casa de Portugal esteve a perder por 2-0 até aos 82 minutos, altura em que Pelé, muito agastado com a arbitragem e o “apoio que estava a ser dado exageradamente aos Sub 16”, fez entrar três jogadores de ataque, que deram a volta ao resultado. Os golos foram apontados por Pedro Duarte (2) e Alexandre Matos.

“Se realmente subirmos à II, como eu espero, vamos receber reforços para a época que virá, podendo assim contar com uma formação mais forte para este Torneio de Goa.” A comitiva da RAEM tem já estipulada a saída para Goa no dia 28 de Setembro, realizando-se a prova no fim-de-semana de 30 e 31.

Fonte: http://pontofinalmacau.wordpress.com/2011/05/23/casa-de-portugal-vai-a-goa/

Read Full Post »

Older Posts »